Para os que continuam a aceder a este weblogue desde 2008, o Chão de Papel continua vivo! Por aqui.

Advertisements

Não é o regresso camaleónico que prometi, esse está agendado para daqui a uns meses, dado o trabalho de preparação em curso.

Regresso apenas para anunciar o meu novo espaço de partilha, bilingue: Report On Safety.

Decidi, por absoluta inexistência de algo semelhante, criar um weblog especializado nas questões de segurança de jornalistas em ambientes hostis.

Não será um weblog apenas sobre reportagem em zona de guerra. Por ambiente hostil entenda-se o amplo sentido do termo: do Iraque a Gaza, com passagem pelo Estádio da Luz em dia de derby, ou por manifestações populares.

Espero que ajude.

Como terão vindo a reparar os leitores mais assíduos, há muito que o Chão de Papel foi interrompendo um ritmo velocipédico de publicação.

Por várias vezes dei conta de um certo cansaço de formato. É tempo de mudar. Curiosamente, percebo hoje que a reflexão não é apenas minha. 

O Chão de Papel passará em breve a vestir palavras mais babilónicas. Muito em breve.

O ICCAN – Internet Corporation for Assigned Names and Numbers – é a entidade responsável pela coordenação mundial dos protocolos de internet. Coordena, a exemplo, a designação dos domínios ( .pt, .org, etc…).

 Esta semana foi conhecida a notícia babélica: o alfabeto romano pode deixar de monopolizar internacionalmente os domínios cibernéticos (IDN).

A partir de segunda-feira (15), entram em fase de teste os caracteres de 11 línguas, entre os quais o árabe, o persa e o chinês.

Paul Twomey, o presidente do ICANN, não tem dúvidas:

 “This evaluation represents ICANN’s most important step so far towards the full implementation of Internationalized Domain Names. This will be one of the biggest changes to the Internet since it was created”.

A ver vamos.

Passo a palavra aos interessados: de 26 a 28 de Outubro, este curso está vocacionado para repórteres enviados a zonas hostis.

Fabuloso dossier no El Mundo: Guerras Olvidadas

new-yorker.jpg

Excepcional artigo na habitualmente excepcional The New Yorker: Planning for defeat – How should we withdraw from Iraq?